Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

Para o infinito - To the infinite

Imagem
A ânsia pelo futuro e a vontade de acelerar em direção a ele... O tempo passa depressa, ela pensa. Logo ele está aí. Mas ainda assim ela quer acelerar Decolar em direção ao infinito e perder-se nos sonhos do que pode ser Porque o presente está cheio de "ses" e ela quer sonhar acordada

The craving for the future and the will of accelerating towards it... Time goes by so fast, she thinks. Soon it will be here. But even so she wants to accelerate Take off towards the infinite and lose herself in dreams of what it can be Because the present is full of "ifs" and she wants to dream awake

Sobre a forma

Imagem
O problema é que eu não estou magra e nem gorda, só fora de forma. E eu odeio meio termo.

Blowing wind

Imagem
You know, there comes a time when you think about your life and you just know what you want. Sometimes it's what you want for the moment and sometimes it's what you want for the rest of your life. But everything changes so I've been following my wishes for now. And right now I just don't wanna know what to do, although I know what I must do... Because the wind brings more and more sand and my tracks have been covered. Because the wind brings more and more sand and I cannot see ahead. Because the wind brings more and more sand and everything changes in a minute. Because the wind brings more and more sand and at this wind speed sand hurts my skin. The wind it's too fast and I feel like slowing down. The wind brings freedom, makes you fly... but gravity brings you to the ground.

http://www.metrolyrics.com/sky-and-sand-lyrics-paul-kalkbrenner.html

Coldplay - Speed of Sound (legendado)

Imagem
Até depois das férias pessoal! See you after vacation!

A avalanche

Imagem
Me sinto no meio de uma avalanche. A onda que não me derruba, me levanta. E me faz andar mais rápido do que eu gostaria (será?). Me pego nessa inércia e não sei parar. E não sei se gostaria de parar. Isso me assusta.

Sou bióloga. Tenho esperança de que a beleza que vejo não acabará. Tento fazer a minha parte. Pequena parte, mas o que seria do mundo sem as pequenas partes? Eu me emociono ao ver as imagens da natureza. A flor que abre. A abelha coletando pólen. O degelo. O nascimento de um urso. O esquilo comendo a noz. O vento. O lagarto no deserto. As sequóias gigantes. Os ipês. As raízes. Os paramécios. As medusas. Os elefantes. As girafas. As algas microscópicas. As baleias. As formigas em bando. É tanto que poderia terminar meus dias descrevendo cada cena citada e não citada aqui. E sem mencionar os processos fisiológicos, regulatórios e os serviços dos ecossistemas (ainda vou escrever algo sobre por aqui, por enquanto: http://www.esa.org/education_diversity/pdfDocs/ecosystemservices.…

25/10/2005 escrevi

Questions
Rodando Rodando O que o tempo não enxerga? O que o tempo não espera? O que o tempo não faz passar? Anti-horário
Circulando Circulando O que todas essas pessoas estão pensando? O que todas essas pessoas estão sentindo? O que todas essas pessoas estão passando? Horário
Voando Voando Se existem tantas pessoas no tempo Se existem tantas pessoas no espaço Se existem tantas pessoas diferentes Por que só uma poderia me fazer feliz? Ocasião
Parando Parando Onde estou? Pra onde vou? Não importa Descobrir é a diversão Probabilidade

26/10/2005 escrevi...

Imagem
Amor O amor é coincidência Coincidência de poder conhecer De poder conviver De poder ter É oportunidade...
Amor O amor não é exato Não existe “a” pessoa pra você Existe “a” pessoa para aquele momento O amor é coincidência
Amor O amor existe? Se existem bilhões de pessoas no mundo... Como saber se aquela é a única que você amaria? Como saber se aquela é a única que pode te fazer feliz? Como saber se é amor? O amor é abstrato
Preciso de oportunidade Preciso de coincidência Preciso de abstração Amor...

Tempo 4 (Time 4)

Imagem
Quando o meu tempo quer ser apenas tempo. Tempo para sentir o frio no rosto. Tempo para esvaziar a cabeça, enchê-la com um arco-íris, olhar o céu e rir das nuvens. Tempo para ver o tempo passar. Vem o mundo. O mundo que quer meu tempo preenchido pelos pontos de interrogação. O mundo que quer que as respostas esmaguem meu tempo de ignorar o mundo e me reinicializar. Ah mundo! Não sabes que entre um degrau e outro precisamos de um folêgo? Tempo para digerir o que passou? Para perceber que o tempo é que cura? Que é necessário tempo para descansar? Ah mundo! Me deixe!
When my time wants to be just time. Time to feel the cold on the face. Time to empty the head, fill it with a rainbow, look at the sky and laugh at the clouds. Time to see the time pass. The world comes. The world that wants my time filled with questions marks. The world that wants the answers to smash my time of ignoring the world and reboot myself. Ah world! Don't you know that between one step and another we need a bre…

Saudade que dói (saudade that hurts)

Imagem
Sabe saudade que dói? Aquela que não é nostalgia, que machuca, que enfia o dedo na ferida? Que dá vontade de chorar, gritar e perguntar "por quê"? É, se eu realmente tivesse as asas das minhas abelhinhas, sairia voando! Voando para encontrar aquele olhar Voando para dançar aquela música Voando para me sentir viva novamente Sentir todas as células do meu corpo em uma vibração frenética Reviver aquele momento Talvez eu precise não de asas, mas de uma máquina do tempo.
Do you know that “saudade*” that hurts? That one that isn’t nostalgic, that hurts, that sticks its finger on your wound? That makes you wanna cry, scream and ask “why”? Yep, if I really had my little bees’ wings, I’d fly away! Fly away to meet that look Fly away to dance that song Fly away to feel alive again Feel all the cells of my body in a frenetic vibration Relive that moment Maybe what I need isn’t wings, but a time machine.
*Missing something/someone http://patriciabiene.blogspot.com/2010/10/saudade.html

México

Imagem
E nem entrego a tese e embarco novamente. Agora com sentimento de férias, embora não sejam férias de verdade. Sábado, 25 de junho. Lá vou eu novamente. Destino: Cholula, México, Pollination Symposium. Roubei as asas das abelhas. Chego domingo cedinho na Cidade do México. O aeroporto me impressionou. Grande, bonito. Frio! Espero Gail. Vou até um restaurante, peço o menos parecido com almoço e mais parecido com café da manhã. Omelete. Veio em cima de um vegetal limboso, com alface e tomate. Molho à parte (graças a Deus), picante. Começa a odisseia gastronômica que me renderia nada mais que dores estomacais, gases e outros desconfortos que não precisam ser citados. Encontro Gail \o/ Hora de pegar o busão para Puebla. Estrella roja. E começa a odisseia linguística. Portunhol. Enrolar a língua, porque afinal, apesar de eu entender espanhol, eles não me entendem. Fomos papeando até Puebla. De verdade?! Não parecia que eu tinha saído do Brasil. Cidades parecidas, ruas parecidas, favelas parecidas…