Identidade


Eu descobri o que está acontecendo comigo. Assim, em um piscar de olhos. Acho que só percebi.
É uma crise de identidade.
    Por 27 anos eu fui estudante. Estudante de tudo quanto é coisa. E nos últimos anos, pós-graduanda. E nos últimos 4, doutoranda. Mas você só estuda? Pergunta maldita que me seguiu todo esse tempo. Não, eu não estudava só. Eu pesquisava, trabalhava tanto quanto (ou mais) que muita gente fazendo os experimentos (cujo horário e dia eram determinados pelas abelhas que não sabem o que é feriado ou final de semana), resolvia problemas administrativos, fazia relatórios, prestação de contas, escrevia artigos, trabalhos para apresentar em congressos, viajava. Sim, viajei muito. Muito para participar de congressos, cursos, realizar experimentos. Claro que sempre sobrava um tempinho para curtir, mas acreditem, passa longe do que são férias de verdade. Não tinha férias, mas também não pagava imposto. Não ganhava horrores, mas tirando o carro, me sustentava. Tinha minha casa (dividia, mas é diferente do que a minha casa dos pais), era independente. Aliás, essa é a palavra que está em muitas das descrições que as pessoas fazem de mim. Independente. Sou mesmo, até demais.
    E agora? Quem eu sou? Não sou mais doutoranda, porque já entreguei a tese. Não sou doutora ainda, porque a defesa é dia 19, mas estou quase lá. Não recebo mais, não moro mais sozinha, voltei para a casa dos meus pais, mas tenho várias coisas para fazer. Coisas que tenho que fazer para terminar todo o trabalho (publicar os resultados) e porque dependo delas para aumentar minha chance de arrumar um emprego. O emprego pelo qual trilhei essa longa jornada. E é claro que milhões de perguntas cruzam a minha mente. Tenho certeza que dará certo, mas quando? Porque eu já sinto falta da minha independência toda (é bom estar com meus pais, o problema é que eu cresci). E ao mesmo tempo que me parece tão perto o destino, sinto como se faltasse tanto... Uma certa sensação de que me esforcei tanto, mas que falta tanto ainda. O final do doutorado parecia que era o troféu e agora me parece mais como o penúltimo longo passo que não garantiu nada. Sinto um cansaço enorme. Sinto como se tivesse apostado todas as minhas fichas nisso e a bola ainda está girando na roleta e não sei onde ela cairá. E o pior é que sinto que falta uma coisinha que sempre encarei como só uma coisinha, mas que agora pesa. E que não posso fazer nada em relação a ela e só me resta continuar apostando minhas fichas no que posso chamar de meu, a carreira.
Algumas pessoas me dirão que eu tenho sorte. Não discordo, em momento algum. Só estou perdida nessa indefinição. Como se estivesse no meio das ondas cansada demais para chegar naquela pedra que está pertinho da praia paradisíaca e é a última para poder tomar a água de coco desejada.
    Sei o que fazer, mas respirar já me cansa. E as últimas descobertas que não são tão descobertas assim, só percepções sobre as pessoas ao meu redor no mundo científico, me deixam um pouco cansada dos relacionamentos humanos. Muito mudou desde a Idade Média, mas tudo continua um Game of Thrones (jogo dos tronos, série da HBO), só que sem 20 mil homens para defender seus interesses (somos bilhões e podemos contar com uns 10 nessa vida e olhe lá). Só espero que os Starks estejam errados em dizer que winter is coming (o inverno está chegando). Apesar das dificuldades, tudo tem sido ótimo.
    Não quero magoar ninguém com meu cansaço. Principalmente os que estão bem pertinho de mim, as pessoas que realmente importam.
    Alguém me diz como eu mando esse cansaço embora? Férias não resolveram... é só criar vergonha na cara mesmo?
    Pessoas que terminaram o doutorado... sentiram o mesmo?
    Eu preciso perceber que eu sou a mesma, só vou fazer algo diferente. Somos o que fazemos?


Comentários

Néia Lambert disse…
Patrícia, é só acalmar essa ansiedade, dar tempo ao tempo, logo as coisas se encaminham, tenha certeza.

Beijos
Dri Andrade disse…
Acho que todos nós temos uma crisesinha em certa altura da vida....eu ainda tenho algumas rsrs...


amiga, hoje é minha estréia lá no MULHERES MODERNAS: http://elasmodernas.blogspot.com/

CONTO COM SUA PARTICIPAÇÃO LÁ.

BEIJOS E BOM DOMINGO DOS PAIS PRA VC

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Um fuck pra sociedade!