Semaninha…

Quarta-feira o trabalho não rendeu nada. A primeira abelha que soltei só voava, voava. A segunda só forrageava lá em cima. Na terceira, saíram 4 de uma vez! Cacete! Tive que capturar todas e prender... A quarta funcionou, finalmente. A quinta também, mas bem na hora que ela chegou na flor o laser parou de funcionar: “warning, overheat”. Tinha que ser europeu, se fosse brasileiro tinha agüentado aquele calor chinfrim! Obrigada a parar 11h da matina, comecei a organizar os dados e fazer estatística para escrever resumo para o Encontro sobre Abelhas. E o resto do dia foi isso.

Quinta-feira o trabalho rendeu bastante. Cheguei na estação 7:30h! A colônia 2 colabora! Quase terminei nessa colônia. Mas devido a restrições de duração de bateria parei 10:30h. E passei o resto do dia no resumo. Hoje o Gene baixou as plantas, vai ajudar bastante porque agora elas voam na mesma altura das flores do experimento, ou pelo menos é para voar!

Sexta-feira, hoje! Chuva e mais chuva. Acordei 6h sozinha, não consegui dormir mais e fiquei esperando carona para ir para a estação, porque com o vento que tem aqui não adianta sombrinha. Cheguei lá e fui ver as abelhas, lembrei que esqueci de fechar a colônia ontem. Mas que burra! Ainda bem que nem fechei. Elas estavam tão estranhas hoje. Haviam duas abelhas completamente paradas penduradas na flor. Assoprei e elas começaram a se mexer, mas não era normal e não quero medir coisa errada. Havia mais duas voando que nem bestas e quando abri a colônia a rainha estava tão estranha... Bom, por via das dúvidas encomendei outra colônia, que chega segunda e não em uma semana! UHU! Na outra gaiola nenhuma abelha forrageando.
Fui visitar uma estufa comercial hoje. Fiquei impressionada! Cada uma tem 20 acres. É enorrrrrrrrrrrme! Nada é plantado no solo, tudo em lã de rocha. A que visitei era de vidro, mas também tem de polietileno. Tinha abelha voando para tudo quanto é lado e cada tomate grande! E é claro que duas resolveram vir checar minha cara... elas me amam mesmo! Bom, chegando tivemos que colocar sacos nos pés, casaco e lavar as mãos. A moça nos levou lá para dentro em um carrinho! No caminho vi o pessoal selecionando os tomates, empacotando, muitas esteiras, coisas automáticas e várias caixas prontas. Achei o máximo a pilha de caixa sendo enrolada em um plástico automaticamente! Chegamos nos tomates... tomates que não tem fim. Todos trabalhando de uniforme, dirigindo um carrinho para carregar as coisas de lá para cá. Engraçado que nenhum dos trabalhadores parecia canadense, pareciam todos mexicanos!
Voltei para a estação. Chuva e mais chuva! Trovoadas! E fui checar as abelhas... mas não pude porque com os raios e trovões não é seguro ficar em um local que tem metais. Quanta frescura viu! Não tem pára-raios nessa porra não?! Ainda bem que nem comecei a trabalhar lá hoje. Essa América do Norte é cheia de medo, tudo é perigoso, tudo é contagioso. Acho que por isso que fazem os melhores filmes de fim de mundo. E por isso que morrem de medo do terceiro mundo.
Cheguei em casa e fui tomar um iogurte. Na TV só se fala da tempestade, da chuva de granizo, dos ventos perigosos que podem fazer estranhos e de um possível tornado. De manhã no jornal já falavam isso e só nisso. Porra de TV de Detroit! Claro que não fui na academia né! Com tanto perigo, com tanto aviso de que é para se proteger, vou ficar em casa e comer!
E nem sinal de nada, dava tempo de ter ido e voltado. Agora só que tá ficando preto o céu!

Não sei se essa semana foi boa, se foi ruim. Piscianos sonham e eu não sei se é como me sinto ou se é assim mesmo.
Ultimamente tenho sentido falta desse amor que não vem. No Brasil a família e os amigos preenchem esse vazio, pelo menos na maior parte do tempo. Ando preocupada porque faz muito tempo que não acontece nada, nem coisas que não dão certo. Tenho muitos amigos solteiros, mas pelo menos eles estão sempre tentando. Deve haver algum problema comigo, porque ninguém chega perto. Nada nunca nem começa. Talvez essa seja minha vida, talvez deva aceitar meu destino de cientista maluca que só trabalha.
Aqui... aqui só tenho uma pessoa com quem posso falar de coisas que não são trabalho e para me fazer companhia. Ela arrumou outra pessoa para passar o tempo, não sei o que está acontecendo, mas não vou mentir: tenho medo de perder a companhia. Sempre acabo sendo vela e isso é a última coisa que preciso aqui, e se isso acontecer simplesmente vou ficar em casa. Acho que nem vou ter muita escolha.
A Dana da estação disse para combinarmos de eu ir na casa dela ou passear de canoa. Ela tem 3 filhos, tem outros compromissos, mas essa semana vou falar para ela para combinarmos. Gosto muito de conversar com ela no almoço, ela é super tranqüila e legal. Sempre preocupada comigo!
Preciso voltar para Guelph! Não me sentir isolada. Isso aqui não tá me fazendo bem. Esta não sou eu. Eu sou forte, eu sou confiante, eu não coloco minha felicidade na dependência de outra pessoa! Esse lugar me faz ver como precisamos de outras pessoas para sermos felizes e isso me apavora porque não depende só de mim. Por enquanto tenho todo mundo, mas as coisas mudam e não quero ficar sozinha.
Está aí uma coisa que nunca pensei sobre essa viagem... que iria pensar tanto na minha vida, que ia sentir tanta coisa. Achei que ia ser a melhor época da minha vida, que ia me divertir muito. Pelo menos TALVEZ eu volte uma pessoa mais simpática! Hahahaha Ainda faltam 2 meses...

Chega! Vamos pensar que esse fim de semana vai ser bom, pelo menos diferente. Vamos no cinema e domingo vamos para Pelee Island! UHU! Se a previsão do tempo estiver correta sobre o domingo hehehe

UHU! Trovões e raios! Adoro! Bem que eu podia ver um tornado! De longe...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Desconstruindo