França – o final


E então chegam os últimos dias na França. E com estilo: Paris!
Eu nunca pensei em ir para a França, nunca dei importância quando ouvia dizer que Paris é linda. Sempre foi um país que não me chamou a atenção, ainda mais pela fama de que as pessoas não gostam de falar inglês e eu não saber falar francês.
Bom, arrumo minha enorme bagagem, me levam para a estação de trem e eu consigo embarcar. Chego a Paris. Me arrasto para lá e para cá procurando onde marquei de me encontrar com Milena. Nessas horas me arrependo da bagagem. Dá vontade de sentar no chão e chorar. Nos encontramos, que alegria!
E começo a entender a fama de Paris! Já começa pela estação que é linda.
Fomos para a casa dela, deixamos as coisas e já saímos. Destino: torre Eiffel.
Me apaixonei! Ah, que coisa mais linda! Me senti como se tivesse encolhido e ficado do lado daqueles chaveiros da torre. E quando ela brilha então?!
Fizemos um picnic, tomamos vinho. Que delícia! Ótimo início!
No outro dia fui ao Louvre. Sem brincadeira, quando eu vi, me arrepiei inteira. Que lindo, que fantástico, que maravilhoso! Por fora e por dentro. Podia passar dias lá, se não fosse o tanto de gente que tem. Vi a famosa Mona Lisa. E só teve graça por ser famosa, porque praticamente tudo o que eu vi depois era mais interessante. Para chegar perto me senti uma jogadora de futebol americano, driblando todo mundo. As pessoas não se tocam que tem mais um milhão de pessoas querendo ver e ficam lá que nem idiotas trocentas horas na frente do quadro. Sai da muvuca rapidinho e vaguei pelo museu. Não sabia para onde olhar, queria ver cada detalhe. Bom, segundo o tour de barco que faria mais tarde, se uma pessoa quiser ficar um minuto na frente de um quadro vai demorar quatro meses para visitar todas as obras no museu.
De lá fui subindo até o arco do triunfo e vendo o que tinha pelo caminho. Lindo, lindo, lindo! Passei pela famosa avenida Champs-Elysée, onde me encontrei com Milena. Fomos até o arco, lindo pra variar. E depois fiz umas comprinhas na Champs-Elysée porque eu sou chique (hahahaha). Me diverti na Sephora. Comprei um perfume que segundo a vendedora só é vendido na Sephora da Champs-Elysée. E ela disse com muita, mas muita ênfase, diversas: it’s exclusive of this store on Champs-Elysée, you won’t find in another place of the world. E eu só comprei porque foi o perfume que mais gostei dos que experimentei... e agora aproveito para dizer “eu tenho um perfume que só se vende na Sephora da Champs-Elysée e em nenhum outro lugar do mundo, tá?”. Hahahaha! Grande bosta! O importante é que a louca me deu várias amostras grátis (hehehe).
Depois fomos a outros lugares e para casa. A noite fomos a um bar, tomar uma cerveja e ver a apresentação de bandas francesas que estavam concorrendo a um contrato com uma gravadora. Foi bem legal.
Sábado fui atrás de uma mala porque as coisas não cabiam mais nas que eu tinha. Almoçamos no chinês. Fomos a um parque (preciso perguntar o nome para a Milena depois, porque já esqueci), à basílica de Sacré Coeur, à Notre Dame, aos jardins de Luxemburgo, ao Panthéon, passando por vários lugares lindos. Fomos jantar em um restaurante bem legal.
Domingo, último dia (ah!). Arrumei as malas. Fomos para a Torre, agora pelo Trocadéro. Linda durante o dia também. E, como estávamos mortas de andar, resolvemos fazer um passeio de barco pelo rio Sena. Foi muito bom! Adorei! Depois fomos andar e comer. E aí era hora da maratona de levar as malas até o aeroporto. Fui de metro e trem. Aventura!!! E aí foi hora de dar tchau!
Esses dias em Paris foram ótimos. Conheci pessoas ótimas e curti a companhia da minha companheira de VD, Milena. Que delícia! Fico pensando, às vezes, se mereço tanta coisa boa nessa vida... que idiotice! Claro que mereço, eu me mato nesse doutorado. E agora é reta final para a tese... esforço final e máximo ligado!
E agora eu entendo porque a França e Paris são tão famosas... recomendo!
Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2118813849888.2128057.1232018299&l=83645589fe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Um fuck pra sociedade!