Tempo


Eu ainda me surpreendo com o tempo. Como ele passa e as cenas que chegam são surpreendentes. E como as peças se encaixam. Surpreendentes não pelas conquistas ou derrotas. Mas pelo não imaginado. Por estar onde não pensei que estaria. Por alcançar o que não pretendia. Por ter vivido tanto em tão pouco tempo. Naquele dia, naquele momento em que meu mundo parou, não imaginava que estaria aqui, assim. Naquele momento aprendi a beleza de não imaginar o futuro. Era o que eu queria, viver intensamente aquele dia. Não  me importava com a hora, com o depois. Foi como magia. Uma única vez em que minha mente descansava da exaustão que é pensar no amanhã. Esse foi o segredo daqueles dias. Viver como se não houvesse amanhã. Não sonhar, viver o sonho. Não mais que 15 dias que pareceram anos e que terminaram brutalmente. Mas que me ensinaram a viver mais o hoje. A pensar em mim quando eu estava preparada para pensar em nós (I chose a feeling that you couldn't choose...*). A lidar com a decepção novamentes. E a perceber que não é tão ruim, porque agora me amo mais e me conheço melhor. Não planejei estar aqui, assim. Não planejei que estaria lá. Não planejei que entre lá e cá, estaria em vários lugares. E muito menos imaginei. Os lugares vão surgindo e me levando. E o tempo passa e eu me vejo mudando. De lugar. Mas não só de lugar. E assim vou me descobrindo, me transformando. Sei o que quero mais do que ontem. Descobri do que preciso e encaro o fato mais do que nunca. Fato de que eu quero o que todo mundo quer**. Não sei como será e não tenho medo (como já tive). A cada porta que abri encontrei maravilhas. E tudo não imaginei. Essa é a maravilha. Por que então ter medo do que virá? Aprendi. Desde que não parem de vir, bem estarei. O tempo corre sobre trilhos, mas não perde o rumo. Corre como a água que nasce na montanha e vai para o mar. A água que me leva do início ao fim. Curvas, cheias, secas. Cada fase com sua beleza. Cada fase com seu aprendizado. Após a curva, surpresa. Com as cheias, abundância. Com as secas, fortalecimento. O tempo traz aprendizado. E devo aproveitar cada vez mais o tempo. Sozinha ou acompanhada. Por que é tão difícil acreditar? Acreditar que alguém enfrentará a correnteza comigo ou para ficar ao meu lado. É mais simples sozinha, mas não é mais fácil. O momento em que meu mundo parou me mostrou que estou pronta para alguém chegar. Pra valer. Não consigo imaginar o futuro, nem quero. Remo rumo ao desconhecido seguindo a bússola do coração. Não consigo planejar o que não depende de mim. Imaginar, planejar, sonhar. Preciso viver o sonho novamente. Não planejo como nem quando nem com quem. Muito menos imagino. E só o tempo me contará. O tempo. Naquele momento em que meu mundo parou, eu não lembrava qe ele não iria permanecer parado. Ele rodou, rodou, rodou. Eu me transformei, mas não em outra pessoa. Apenas em uma pessoa que consegue admitir o que deseja. Porque quando não admitimos, a dor de não termos é menor. Mas só parece menor. Mas depois daquele momento em que meu mundo parou, sei que não há amor sem dor. Não há como amar sem arriscar, sem renunciar. Não há como viver sem ser por inteiro. Temos que amassar os ovos. Porque a pior dor é a ausência de sentimento. É a ausência de experiência. É ter asas e não pode voar (pobre galinha!). Tempo, me surpreenda. Estou pronta.


"o que voa, um dia já rastejou" 
Li em um livro...


**não é casar e ter filhos! É amor!
* I chose a feeling that you couldn't choose...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Um fuck pra sociedade!