Prezados viajantes... dear sailors...

Quando eu estava na escola eu até gostava de literatura, mas sempre achei perguntas do tipo "o que o autor quis dizer com isso?" ou "interprete essa parte do texto" simplesmente um saco!
Porra! Eu lá sei o que ele quis dizer com isso! Não sou ele, não moro na cabeça dele, não sei o que ele estava pensando quando escreveu, nem conheço ele, como é que eu vou saber?! 
O que eu sei é o que o texto me passa, no que me faz pensar... baseado nas minhas experiências, nas minhas emoções, no meu momento e na minha vida. Quantas vezes você já leu um texto e entendeu uma coisa e quando leu novamente algum tempo depois entendeu algo totalmente diferente?!
Para escrever é preciso ter uma certa coragem... porque tem que ser sincero para tocar o coração e a mente das pessoas e não dá para ter medo do que elas vão pensar de você... porque as pessoas vão te julgar e achar que te conhecem por meia dúzias de palavras que você escreveu. Algumas te escreverão palavras carinhosas, algumas palavras agradecendo, as mais próximas entenderão exatamente o que você disse e te dirão o que gostaria de ouvir, algumas discordarão, algumas vão te cobrar, algumas não te entenderão, algumas vão entender tudo errado, algumas vão se ver ali nas suas palavras, algumas odiarão, outras amarão.
Não me importa. Se o que eu escrevi tocar alguém de alguma maneira, se o que eu escrevi fazer uma pessoa parar para ler e pensar um pouquinho, nem que seja para falar que aquilo é uma merda, estou feliz! E eu amo ouvir tudo isso...
A intenção é acrescentar algo na alma das pessoas. Triste, feliz, alegre, arrancar um sorriso, arrancar um palavrão, uma lágrima... não importa. Não me importo se vão entender o que eu quis passar. O que me importa é fazer sentir e/ou pensar.
Não é minha intenção mostrar quem eu sou, o que estou sentindo ou o que penso sobre o mundo. Eu não sou perfeita, não sei a verdade e não quero que o mundo me conheça. Isso eu deixo para alguns somente.  Apenas compartilho pensamentos porque acredito que se todos nós compartilhássemos pensamentos e reflexões aprenderíamos mais rápido, evoluiríamos com mais facilidade, sem precisar aprender tudo na marra, com a dor das nossas próprias experiências. E aí tem outro fato. Nem tudo o que eu escrevo aconteceu comigo, é o que eu estou sentindo. Muitas vezes é o que vi, ouvi, presenciei.
E a porcaria do vestibular ainda queria que eu soubesse o que diabos um escritor que viveu em um mundo bem diferente do meu quis dizer... 


When I was at school I kind of liked literature, but I always thought that questions like “what did the author mean?” or “what is this part about?” a real pain in the @$$!
Fuck! I don’t know what he meant! I’m not him, I don’t live inside his head, I don’t know what was he thinking about, I don’t even know him, how the hell would I know?
What I know is what the text mean to me, what it makes me think about… based on my experience, on my emotions, on my moment and on my life. How many times have you read something and when you read again you understood something completely different?
Writing demands some corage… because you have to be honest to touch someone’s heart and mind and you cannot be afraid of what they might think of you… because people will judge you and think they know you through a dozen of words you wrote. Some will write you kind words, some will thank you, the closest people to you will understand exactly what you said and will tell you what you’d like to hear, some will disagree, some you’ll demand something from you, some will not understand you at all, some will see themselves on your words, some will hate, others will love.
It doesn’t matter. If what I wrote touches someone somehow, if it makes someone stop and read and think a lit bit, even if it’s to say that that sucks, I’m happy! And I love to hear everything…
The intention is to add something to people’s soul. Sadness, happiness, cheer, make them smile, make them course, a tear… it doesn’t matter. I don’t care if they will understand what I meant. What matters is to make them think and/or feel.
It’s not my intention to show who I am, what I’m feeling or what I think. I’m not perfect, I don’t know the truth and I don’t want the world to know me. This is a privilege for some. I just share thoughts because I believe that if we all shared our thoughts we would learn faster, evolve easily, avoiding much pain from our own experiences. And there’s another point. Not all I write happened to me or is what I’m feeling. It can be what I heard, saw, witnessed.
And the damn exams for going to the University wanted me to know what the hell someone that lived in a very different world meant…

Comentários

Ivana disse…
Eu me encaixo na categoria das pessoas que curtem o que vc escreve, me identificando muitas vezes. Também acho doido demais essa coisa de entender o que a pessoa queria dizer quando escreveu aquilo. Me basta o que aquilo acrescentou ao que eu penso... tô adorando seu lado escritora! beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Desconstruindo