A tristeza do animal migratório

St Lucia Wetlands Park, KwaZulu Natal, África do Sul


Essa tristeza que não vai embora nem com uma bacia de pipoca e um episódio de Grey's Anatomy... ok, talvez não tenha sido a escolha certa de seriado para esse dia. O jeito é ir dormir. Amanhã é outro dia. Talvez amanhã ele veja que ainda há uma luz a ser descoberta. Ou que ele se alegre com ela. Que a solidão não é problema perto dos problemas que estão espalhados pelo mundo. Que isso é só um estado de espírito. Um espírito que só está um pouco cansado. Um espírito aventureiro, mas que só está um pouco cansado de se aventurar sozinho. Tantos começos e recomeços, viradas e reviradas... e tudo em 2011, ou melhor, mais intenso em 2011. O animal migratório precisa recuperar o fôlego. Ele precisa recuperar a esperança de que surpresas acontecem como em 2010. Ele precisa acreditar que as surpresas não precisam necessariamente ir embora. Será que 2012 o deixará respirar? Será que em 2012 ele conseguirá aproveitar mais de uma mesma coisa? Tudo passando em um piscar de olhos. A migração está rápida demais. As mudanças climáticas estão rápidas demais. Sem tempo para adaptação. Sem tempo para aproveitar. Sem tempo... a migração está rápida demais. E ele está com sede. E ele está com fome. E ele está sozinho.

Comentários

Denise Portes disse…
Patrícia,
O bom de ler isso é saber que estamos "todos" sentindo a mesma a coisa.
Um beijo
Denise

Postagens mais visitadas deste blog

A importância que damos às pessoas

página em branco

Desconstruindo